Como é trabalhar de “au pair” na Irlanda?


Muita gente trabalha como “au pair” durante o intercâmbio para ajudar nos custos do mês. No entanto, é necessário ter em mente algumas coisas para não se frustrar na hora de trabalhar como babá na Irlanda. Para quem não sabe, “au pair” nada mais é que uma babá, mas é diferente do termo “childminder “.

Segundo o Cambridge Dictonary, “au pair” significa: “uma pessoa estrangeira, geralmente uma jovem mulher, que vive com uma família para aprender seu idioma e que cuida das crianças ou limpa a casa em troca de refeições, um quarto e um pequeno pagamento”.

Esse significado, porém, há tempos não é mais o mesmo. Isso porque “au pair” agora é uma profissão legalizada e registrada, tendo, até mesmo, sindicatos, órgãos de auxílio e controle. Por isso, é importante saber exatamente o que ela significa para entender o trabalho e não ter o risco de haver exploração.

1- ‘Au Pair’ pode não ser somente cuidar de crianças

Para muitas famílias, o “ser au pair” não significa somente cuidar dos filhos, mas também fazer alguns trabalhos domésticos, como cozinhar, limpar a cozinha e passar roupa. Mas atenção, isso deve ser combinado antes!

Se isso não foi acertado durante a contratação, converse com eles novamente sobre suas preocupações. Muitas famílias podem abusar, sim, ao ver que a pessoa é um estudante de outro país e que precisa trabalhar para ajudar nas despesas.

2- ‘Au pair live in’: pontos negativos de viver na casa da família

Quando a vaga de “au pair” é “live in”, significa que a babá precisa morar com a família na casa. Trabalhando “live in”, você tem acomodação, comida e, ainda, recebe salário. Mas tenha em mente que você precisa avaliar muito bem antes de fechar essa opção, pois, obviamente, sua liberdade também será afetada.

É comum ver pessoas reclamando que trabalham no final de semana por morar com a família ou que têm horários bem restritos. A sugestão é você perguntar tudo durante a entrevista de emprego e avaliar se a proposta vai ao encontro do que você considera bom para você.

3- Negocie tudo antes de começar a trabalhar

É preciso tomar muito cuidado antes de iniciar um trabalho como “au pair”. Muitas famílias anunciam vagas (sejam “live in” ou “live out”), colocam no anúncio “au pair”, mas, na verdade, quando começamos a trabalhar, percebemos que somos mesmo é “cleaner” e temos que limpar a casa toda, além de cuidar das crianças.

Também é importante se atentar a pontos como transporte e alimentação. Isso porque muitos consideram que no salário já está embutido o preço do ônibus, por exemplo. Ou seja, se você não negociar isso na hora de ficar com a vaga e a casa ficar longe de onde mora, perderá boa parte do salário só para chegar até o trabalho e voltar pra casa.

4- Trabalhe em locais seguros

Apesar de a Europa e a Irlanda serem locais considerados mais seguros, isso não significa que você não precisa se cuidar. Foi chamada para uma entrevista? Verifique no mapa onde fica o local, o que tem por perto e pergunte a quem mora na cidade há mais tempo (colegas, amigos, professores, etc.) se é perigoso.

5- Abusos da família podem ser reportados

Se todos os pontos para a vaga de “au pair” forem favoráveis e finalmente conseguiu o emprego, é hora de prestar atenção na rotina familiar, no estilo de vida dos pais e das crianças e na forma como eles tratam você, principalmente com relação a pagamentos, serviços e horários.

Se algum tipo de abuso acontecer e não for possível conversar com a família a respeito para resolver a situação, muitos órgãos na Irlanda auxiliam imigrantes e babás. O Migrant Rights Centre Ireland, o Au Pair Rights Ireland e o Au Pair World Safety  são alguns dos canais mais importantes disponíveis para buscar informações e ajuda.